Saneamento

Tratamento das águas negras, vaso sanitário

Esse tratamento foi feito através do biodigestor projetado pela Embrapa, fossa septica biodigestora

O ponto chave desse processo é confinar as aguas negras durante tempo suficiente para as bactérias consumirem e transformarem os dejetos poluentes em substancias inócuas.  Nesse caso, dar descarga sem motivo, sujando 6 litros de água só para descartar papel, embalagens ou lixo inadequado, sobrecarrega o sistema fazendo-o perder eficiência. O efluente que deveria ficar mais tempo aprisionado acaba sendo descartado pelo acréscimo de novos e incessantes esgotamentos. Já existem dispositivos com duas descargas, uma, com pouca água, outra, com muita. É possível controlar o fluxo  numa descarga de válvula ao acioná-la, diminuindo a quantidade de água quando necessário. Sem uso consciente não existe biodigestor que de jeito. Seria preciso mais e maiores reservatórios e ainda assim, o esgoto não seria tratado a tempo pelas bactérias.

Durante um período reguei as mudas de arvores nativas que tenho em meu viveiro com o efluente resultante desse tratamento. Não tem cheiro e é comprovadamente isento de organismos patógenos. Na realidade, não observei nenhuma piora ou melhora significativa no desenvolvimento das plantas. Se a irrigação fosse por gravidade, não teria problema em continuar usando, principalmente nas épocas de seca, mas como precisava bombear o liquido, achei que o gasto com eletricidade não compensava. Acabei optando pela filtração. Além disso, acrescentei mais um reservatório, somado aos três que o projeto recomenda, para aumentar a capacidade quando o uso aumenta.

É importante observar que as tampas dos reservatórios não devem ser enterradas. Precisam receber o calor do sol, de preferência pintadas de preto, para aumentar a temperatura e promover o processo bacteriológico.

Dicas
1)
Tampa para fora e pintada com emulsão asfáltica ou tinta esmalte preta (cor preta absorve mais calor).
2) Acrescentar mistura de estrume de vaca + água todo o mês. Como meu sistema, na maior parte do ano, não é muito solicitado, acrescento esta mistura apenas quando o uso do biodigestor aumenta muito.
3) Uso consciente.

Tratamento das águas cinzas, chuveiro, pia, bidê, cozinha e lavanderia

Este tratamento consiste em filtrar essas águas através de um reservatório de 1000L preenchido com pedras e areia. Por cima são plantadas espécies que gostam de muita água, como taboa e junco. Essas plantas limpam o filtro constantemente através de suas raízes. É importante captar a água de saída na parte inferior da caixa, do contrario, nada é filtrado.

O desenho abaixo representa esse tipo de tratamento. É preciso deixar um espaço para a água que entra no tanque. Ela não é filtrada imediatamente e corre o risco de transbordar. São dois os motivos da água de saída sair por cima. O primeiro, por causa da declividade natural de alguns terrenos, que torna impossível eliminar a água por baixo. O segundo motivo, tem o objetivo de deixar uma quantidade suficiente de água no fundo da caixa, mantendo o solo encharcado para as plantas.

Observei que esse tipo de captação dificulta muito a filtragem. Fazer a água escoar por gravidade, saindo diretamente na parte de baixo do tanque, torna o processo muito mais rápido. A lamina de água que se forma com o uso intenso não dura mais de 30 minutos e não há transbordamento. Não sei como as plantas irão reagir nessa nova situação, porque o ambiente só vai ficar encharcado quando o filtro for usado. Nesse caso, acho necessário um registro na saída para trancar o fluxo quando o sistema ficar parado por muito tempo. O desenho abaixo mostra a nova eliminação da água filtrada. Uma fossa no final seria a solução para terrenos sem declividade.

Abaixo, uma foto dessa ultima modificação. Tenho dois filtros de plantas. Um, para águas cinzas e outro, que serve pra um eventual transbordamento das águas cinzas e simultaneamente para filtrar a água escura que sai do biodigestor. O tubo branco, na parte de baixo da foto é a entrada de água no primeiro filtro. O outro tubo, que aparece acima do primeiro, leva o efluente da ultima caixa do biodigestor para o segundo filtro de plantas que está a esquerda da foto, quase invisível, bem integrado na vegetação.

É impressionante a eficiência da filtragem. Com a eliminação por baixo, não demora muito pra ver o efluente do biodigestor entrando completamente preto, carregado de matéria orgânica, mas sem patógenos e saindo cristalino. As plantas estão pequenas, porque é necessário corta-las de vez em quando, se não elas tombam e abafam o crescimento uma das outras.